Com a provável vitória do candidato de extrema-direita, Jair Bolsonaro, à presidência da República, será necessário tomar alguns cuidados ao navegar na internet, principalmente se você fizer parte de algum grupo social contrário à ideologia do novo governo. Muitos podem achar esse post algo paranóico, mas não se trata disso. O então pré-candidato, em um pré-encontro com eleitores, disse que o Brasil não é um país laico, mas cristão, e que as minorias teriam que se curvar às maiorias, devendo se adequar ou desaparecer.

Portanto, se você é homossexual, bissexual, ateu, espírita, usuário de drogas ilícitas, liberal, socialista ou se encaixe em qualquer perfil que não seja o propagado pela extrema-direita conservadora brasileira, leia esse post com atenção.

Add a comment

Nota do tradutor: Essa era a notícia que faltava neste ano para os odiadores/amantes do systemd ampliarem suas tretas :) . Lembre sempre agora amiguinho, cada hit seu no like é uma oração para o Deus/Satã systemd, mmmuaaahahahahahahahahahahahaahahah

Na última semana ocorreu a conferência All Systems Go! em Berlin e Davide Cavalca comentou sobre a utilização do systemd pelo Facebook em 2018 e como ela foi expandida desde o último ano.

Em termos simples, digamos que o Facebook ama o systemd. Ele utiliza suas funcionalidades diariamente dentro dos seus data centers. Algumas das notas que merecem destaque incluem:

  • O Facebook tem o systemd como seu carro chefe por no mínimo os últimos 2 anos.
  • O Facebook está utilizando CentOS 7 em todos os hosts para criação de containers.
  • Mesmo utilizando o CentOS 7, o Facebook faz o backport de vários pacotes incluindo novas atualizações do systemd, Meson, dependências, e é claro versões recentes do kernel Linux.
  • O Facebook está trabalhando no "pystemd", um wrapper Python (Cython) para conversação entre os compontentes systemd+dbus+python de forma transparente
  • O Facebook também está desenvolvendo o "systemdmon", um daemon que se alimenta de métricas do systemd que são utilizadas para o monitoramento de sistemas.

O vídeo da apresentação completa está disponível em media.ccc.de.

 Fonte: Phoronix.

 

Add a comment

Segundo um relato da Bloomberg e matérias de vários sites (ArsTechnica,  The Verge, Mac Rumors) a cadeia de distribuição de hardware foi "hackeada" e mais de 30 empresas dos Estados Unidos foram vítimas de um ataque de hardware em um chip embutido nas placas-mãe da Super Micro.

 De acordo com os relatos da Bloomberg, estes chips embutidos nas peças importadas foram descobertos de forma independente pela Apple e Amazon em 2015, e tais empresas reportaram a situação ao FBI que iniciou uma investigação. O relato alega que estes pequeninos chips foram projetados para parecer com outros componentes da placa-mãe ou foram embutidos na própria fibra de vidro desta peças. Conectados a parte de gerenciamento do processador, estes conseguem alcançar áreas importantes do hardware como rede e memória. Alguns relatos indicam que estes chips podiam até mesmo receber instruções remotas de remoção de validação de senhas de um sistema operacional em execução, liberando a máquina alvo para ataques remotos.

Todas as placas foram projetadas pela empresa Californiana Super Micro, e construídas em Taiwan e na China. Ainda segundo o relatório algumas pessoas disfarçadas de funcionários da Super Micro ou representantes do governo abordaram pessoas trabalhando em quatro fábricas e requisitaram mudanças na construção das placas-mãe e a inclusão de um chip extra. Ao que tudo indica o ataque foi promovido pelo Exército Popular de Libertação, o Exército Militar Chinês.

Em resposta a descoberta, a Apple está descartando cerca de 7,000 servidores Super Micro de seus data centers, e a Amazon vendeu um data center Chinês. Em 2016 a Apple findou suas relações com a Super Micro contudo, as causas permaneciam desconhecidas (até agora). A Super Micro, Apple e Amazon negam a versão da história da Bloomberg. A Amazon afirma que não é verdade o fato de que a AWS (Amazon Web Services) tenha trabalhado com o FBI e dado informações para a investigação de um suposto hardware malicioso; A Apple foi evasiva e disse que "não está ciente de parcerias investigativas com o FBI", e a Super Micros "não está a par de investigações sobre este assunto". A Apple sugeriu ainda que a Bloomberg pode ter criado um mal entendido com o incidente de 2016 onde apenas um servidor da Super Micro foi encontrado com uma infecção de firmware nos laboratórios de design da Apple.

Obviamente como a Bloomberg volta e meia é fonte de notícia sensacionalista, mantenham um olho aberto pra esta história.

Opinião do redator - Se for verdade, não sei o que assusta mais: A fragilidade da cadeia de distribuição destas empresas de hardware ou a criação de "walled gardens" pelas receptoras de peças, que possuem clientes globais que consomem seus serviços e produtos que são bem conhecidos e difundidos.

Fonte: Diversas no primeiro parágrafo.

Add a comment

FCP 101: Descontinuação e remoção de módulos Ethernet 10/100

A descontinuação de tais dispositivos deverá ocorrer antes do FreeBSD 13.

O problema

Cada dispositivo de rede cria "atrasos" na tentativa de melhorar a pilha de redes ou na criação de novas funcionalidades como por exemplo expansão da compatibilidade 32-bit. Por exemplo, o autor precisou editar cada driver de placa de rede ao mínimo uma vez no último ano para atualizar interfaces de gerenciamento das mesmas (ioctl). Esta situação pode ser melhorada com a conversão de tais drivers para a iflib, mas cada módulo exige trabalho adicional.

Dispositivos 10 e 100 megabit são altamente irrelevantes hoje em dia e há um número significativo deles na árvore dos fontes. Os que não são utilizados ou os que o estado de funcionamento é desconhecido serão removidos para reduzir a carga de desenvolvimento.

Durante a última década, a maioria dos sistemas (incluindo pequenos embarcados) tem saído de fábrica com interfaces Gigabit Ethernet e máquinas virtuais comumente emulam interfaces gigabit. Suporte a dispositivos físicos e virtuais populares será obviamente mantido enquanto hardwares incomuns terão o suporte removido. Com algumas exceções, tais drivers provavelmente não estarão mais em uso pela base de usuários do FreeBSD no momento em que a versão 12 virar obsoleta (aproximadamente em 2024).

Dispositivos que serão removidos: ae, bfe, bm, cs, de, dme, ed, ep, ex, fe, pcn, sf, smc, sn, ste, tl, tx, txp, vx, wb, xe

Dispositivos que serão mantidosdc, fxp, hme, le, rl, sis, vr, vte, xl

Para maiores detalhes de como a transição será feita, acompanhe o link de referência abaixo.

Fonte: FCP 101: Deprecation and removal of 10/100 Ethernet drivers

Add a comment

Os primeiros dados de market-share de Setembro mostraram um aumento na adoção do Linux como SO em usuários da Steam, o que não é surpreendente devido ao anúncio da Steam Play / Proton. Contudo, parece que o valor é maior que o originalmente reportado.

O valor original do levantamento apontava um total de 0.71%, ou seja, aumento de 0.12% com relação ao mês passado. O valor foi revisado e é de 0.78%.

O desenvolvedor da Valve Pierre-Loup Griffais, confirmou que houve um "pequeno erro de arredondamento" na pesquisa. Para distribuições Linux de menor market-share a porcentagem não foi computada no total.

Então, graças a estas distribuições de menor adoção o Linux agora bate os 0.78%. Os últimos dados da pesquisa podem ser encontrados aqui.

Fonte:  Phoronix

 

Add a comment

O CirnOS é um sistema operacional para o Raspberry Pi feito com usabilidade e simplicidade em mente. Ele cria um ambiente simples para rodar scripts Lua no Raspberry Pi. Não possui um kernel ou gerenciador de tempo e é monotarefa. Execute seu código no dispositivo e "era isso". CirnOS foi testado apenas no Raspberry Pi Zero, mas deve funcionar no Raspberry Pi original e no Zero W.

Questão filosófica: "Não é um kernel" mas exige que o arquivo kernel.img seja copiado para o cartão microSD recém formatado...

Fonte:  OSNews 

 
Add a comment

Houve um aumento na fatia de mercado do Linux como Sistema Operacional dos utilizadores da Steam desde o anúncio da Steam Play feita em Agosto, que embarcou a Proton, uma tecnologia baseada no Wine.

O relatório de Setembro de 2018 mostra um valor total de 0.71% na utilização do Linux, um aumento de 0.12% comparado ao mês anterior enquanto houve um decréscimo de 0.14% no Windows (marcando 96.3%) e um de 0.05% no macOS (baixando para 2.92%). Este aumento da utilização do Linux tem possivelmente como causa raiz a implementação da Steam Play/Proton e a qualidade deste produto que entrega milhares de jogos exclusivamente para Windows aos sistemas baseados em Linux.

Apesar de 0.71% não ser grande coisa, este valor fez o Linux atingir sua maior porcentagem de marketshare desde Agosto do ano passado.

Números e dados completos do Survey da Steam podem ser encontrados no seguinte link do site SteamPowered.com

Fonte:  Phoronix

Add a comment

O Prof. Alessandro Strumia, da Universidade de Pisa, foi suspenso dos quadros do CERN devido a comentários que foram considerados sexista. Foi aberto nesta segunda-feira uma investigação para avaliar o caso.

O caso ocorreu quando estava palestrando em Geneva, pelo CERN. Denunciantes consideraram a apresentação do professor inaceitável.

A denúncia é que haveria dito que as físicos (profissão) femininas predominantemente se revela como: "não sexista para mulheres. A verdade não importa. É parte de uma batalha politica vindo de fora" (tradução livre). Mostrou também slides que as mulheres com quem trabalhou fazem mais referências bibliográficas que os homens.

Contatado, o professor argumentou que "Pessoas dizem que física é sexista, física é racista, eu fiz uma pequena pesquisa e constatei que não. Que isso está se tornando sexista para os homens e digo isto" (tradução livre). Colegas de trabalho comentaram da interferência politica no CERN

Fonte: https://www.bbc.com/news/world-europe-45709205

Add a comment

Parece piada, mas não é.

Mesmo existindo o FreeDOS, opção opensource viável para a criação daqueles pendrives bootáveis para atualizações de BIOS, agora a Microsoft liberou os fontes do MS-DOS usando a licença MIT.

Fonte: Github

Add a comment

ATUALIZAÇÃO: ESTA NOTÍCIA É UMA FAKE NEWS! Segundo apurou o grupo de investigação jornalística do linux-br, Um cara que não é desenvolvedor do kernel mandou mensagem pra lista de desenvolvedores xingando o CoC. Um outro perfil falso respondeu. Um conhecido site sobre Linux do Brasil pegou esse fato como se todos os desenvolvedores do kernel tivessem essa opinião e publicou. Pedimos desculpas aos nossos leitores pelo descuido. Segue a notícia original, para apreciação.

A adoção do novo CoC pelo kernel Linux está despertando polêmicas. Agora, vários desenvolvedores do kernel estão ameaçando rescindir os direitos autorais de suas contribuições de código para o projeto, em resposta à adoção do polêmico novo regulamento.

Uma carta aberta enviada à LKML diz que:

Os contribuidores podem, a qualquer momento, rescindir a garantia de licença referente às suas propriedades via notificação escrita àqueles quem eles estão rescindindo a garantia (a respeito de sua propriedade (código)).

A versão 2 da GPL carece de uma cláusula de não-rescisão (a versão 3 da GPL) tem tal cláusula: para tentar fornecer aos réus uma defesa de preclusão, o kernel Linux está licenciado sob a versão 2, não obstante como estão as contribuições passadas.

Quando os réus ignoram a rescisão e continuam usando o código do demandante, este pode processar o réu sob o estatuto dos direitos autorais.

Contribuidores banidos devem fazer isso (nota: o demandante está para registrar seu direito autoral antes de entrar com o processo, o copyright não tem de estar registrado no momento da violação, no entanto).

Em resumo, se esta "kill switch" for acionada, a maior parte do kernel Linux poderá ficar inutilizável ou vulnerável, o que seria uma tragédia de proporções apocalípticas para a sociedade atual, visto que o kernel está presente em uma ampla variedade de dispositivos, desde smartphones até carros inteligentes. Ramificações deste ato poderiam incluir largas partes da internet sendo deixada vulnerável a exploits e companhias ao redor do mundo podendo até herdar pacotes de responsabilidades legais indesejadas.

Add a comment