IRC, o protocolo que aqui no Brasil é confundido com seu cliente mais comum o mIRC, completou 30 anos de vida.

Pra quem não sabe, o Internet Relay Chat(IRC) surgiu no Departamento de Ciências e Processamento de Informação da Universidade de Oulu na Finlândia há 30 anos atrás. Jarkko Oikarinen desenvolveu o protocolo em 1988 em paralelo ao seu período de verão. Hoje em dia as pessoas ainda usam o IRC.

Parabéns ao IRC que continua firme e forte na era dos milhares de mensageiros distintos(e proprietários) da internet.

Fonte: Internet chat system IRC turns thirty - University Of Oulu

Add a comment

Parece que o estardalhaço foi grande e a Intel decidiu dar um passo atrás no famigerado caso da licença de microcode que não permitia benchmarks. A situação chegou a um ponto onde o microcode não seria distribuído pelo Debian por conta desta nova limitação.

A nova licença pode ser encontrada online no 01.org, site opensource da Intel.

Copyright (c) 2018 Intel Corporation.
All rights reserved.

Redistribution.

Redistribution and use in binary form, without modification, are permitted, provided that the following conditions are met:

  • Redistributions must reproduce the above copyright notice and the following disclaimer in the documentation and/or other materials provided with the distribution.
  • Neither the name of Intel Corporation nor the names of its suppliers may be used to endorse or promote products derived from this software without specific prior written permission.
  • No reverse engineering, decompilation, or disassembly of this software is permitted.

“Binary form” includes any format that is commonly used for electronic conveyance that is a reversible, bit-exact translation of binary representation to ASCII or ISO text, for example “uuencode.”


DISCLAIMER.


THIS SOFTWARE IS PROVIDED BY THE COPYRIGHT HOLDERS AND CONTRIBUTORS "AS IS" AND ANY EXPRESS OR IMPLIED WARRANTIES, INCLUDING, BUT NOT LIMITED TO, THE IMPLIED WARRANTIES OF MERCHANTABILITY AND FITNESS FOR A PARTICULAR PURPOSE ARE DISCLAIMED. IN NO EVENT SHALL THE COPYRIGHT OWNER OR CONTRIBUTORS BE LIABLE FOR ANY DIRECT, INDIRECT, INCIDENTAL, SPECIAL, EXEMPLARY, OR CONSEQUENTIAL DAMAGES (INCLUDING, BUT NOT LIMITED TO, PROCUREMENT OF SUBSTITUTE GOODS OR SERVICES; LOSS OF USE, DATA, OR PROFITS; OR BUSINESS INTERRUPTION) HOWEVER CAUSED AND ON ANY THEORY OF LIABILITY, WHETHER IN CONTRACT, STRICT LIABILITY, OR TORT (INCLUDING NEGLIGENCE OR OTHERWISE) ARISING IN ANY WAY OUT OF THE USE OF THIS SOFTWARE, EVEN IF ADVISED OF THE POSSIBILITY OF SUCH DAMAGE.

No Twitter, Imad Sousou, GM do Intel OpenSource Technology Center confirmou que agora a licença está "correta".

We have simplified the Intel license to make it easier to distribute CPU microcode updates and posted the new version here: https://t.co/x5JByIv3j9. As an active member of the open source community, we continue to welcome all feedback and thank the community. #IAmIntel
— Imad Sousou (@imadsousou) August 23, 2018

Parece que a Intel agiu realmente rápido antes que esta discussão tomasse proporções maiores.

De qualquer forma, estamos de olho hein Intel ;)

Debian: intel-microcode: Update intel-microcode to 20180807

Fonte: Phoronix

Add a comment

A Intel está atualizando mais uma vez seu arquivo de microcode, a parte de firmware "carregável" da CPU usada para mitigar os vários últimos e frequentes ataques de sidechannel e timing.

Junto com esta atualização, uma cláusula proibindo a execução de benchmarks foi adicionada:

You will not, and will not allow any third party to (i) use, copy, distribute, sell or offer to sell the Software or associated documentation; (ii) modify, adapt, enhance, disassemble, decompile, reverse engineer, change or create derivative works from the Software except and only to the extent as specifically required by mandatory applicable laws or any applicable third party license terms accompanying the Software; (iii) use or make the Software available for the use or benefit of third parties; or (iv) use the Software on Your products other than those that include the Intel hardware product(s), platform(s), or software identified in the Software; or (v) publish or provide any Software benchmark or comparison test results.

Parabéns a Intel nesta sua nova tentativa de por uma mordaça em todas as críticas aos seus produtos e correções feitas em cima do laço que esmigalham performance.

Fonte: Bruce Perens

Add a comment

A Valve anunciou uma nova versão da Steam Play habilitando a execução de jogos Windows no Linux com seu novo projeto Proton, tecnologia baseada no Wine.

Citando, estes são os elementos chave do anúncio oficial da Valve:

Como um resultado, hoje estamos lançando a versão Beta de uma nova e melhorada versão do Steam Play para todos os usuários do Steam para Linux. Esta versão inclui o Proton, uma versão modificada do Wine que oferece compatibilidade com os títulos dos jogos para Windows. Estas são algumas das melhorias incluídas nesta versão:

  • Jogos do Windows que atualmente não têm versão para Linux poderão agora ser completamente instalados e iniciados diretamente dos clientes Steam para Linux com Steamworks nativo e suporte ao OpenVR.
  • As implementações do DirectX 11 e 12 agora são baseadas em Vulkan, resultando em um jogo com melhor compatibilidade e menor impacto de desempenho.
  • O suporte à tela cheia também foi aperfeiçoado: jogos em tela cheia serão expandidos para a exibição desejada sem interferir com a resolução da tela nativa ou exigindo o uso de uma área de trabalho virtual.
  • Suporte a controle de jogos melhorado: os jogos irão reconhecer todos os controles compatíveis com o Steam. Espere uma compatibilidade de controle mais inovadora do que a da versão original do jogo.
  • O desempenho de jogos multi-segmentados também foi aprimorado ao compará-lo com a versão básica do Wine.

Jogos suportados pela Valve(listados como compatíveis) em seu anúncio:

  • Beat Saber
  • Bejeweled 2 Deluxe
  • Doki Doki Literature Club!
  • DOOM
  • DOOM II: Hell on Earth
  • DOOM VFR
  • Fallout Shelter
  • FATE
  • FINAL FANTASY VI
  • Geometry Dash
  • Google Earth VR
  • Into The Breach
  • Magic: The Gathering - Duels of the Planeswalkers 2012
  • Magic: The Gathering - Duels of the Planeswalkers 2013
  • Mount & Blade
  • Mount & Blade: With Fire & Sword
  • NieR: Automata
  • PAYDAY: The Heist
  • QUAKE
  • S.T.A.L.K.E.R.: Shadow of Chernobyl
  • Star Wars: Battlefront 2
  • Tekken 7
  • The Last Remnant
  • Tropico 4
  • Ultimate Doom
  • Warhammer® 40,000: Dawn of War® - Dark Crusade
  • Warhammer® 40,000: Dawn of War® - Soulstorm

Este é um grande passo para a comunidade que atualmente executa jogos Windows no Linux com alguns winewrappers e que acabam dando problema ou exigem mais manutenção/configuração que uma solução integrada e desenvolvida pela Valve. Aguardamos as cenas dos próximos capítulos e o desenrolar desta tecnologia em jogos com sistema anti-cheat, os mais problemáticos para se rodar com o Wine.

Links interessantes

Fonte: Phoronix

Github: ValveSoft/Proton

Valve: Anúncio oficial

Planilha de Compatibilidade da Comunidade: Google Drive - No momento da publicação desta postagem, mais de 400 jogos já foram testados pela comunidade gamer Linux.

Add a comment

Um bugfix foi aberto no Github do Docker por insatisfação de um usuário com a nova forma como esta tecnologia é disponibilizada aos seus usuários Windows e Mac: Docker CE para estes sistemas operacionais exige login na Docker Store.

Resultado de imagem para docker fail

 

Apesar da solicitação amigável do usuário desejando a remoção de um formulário de login apenas para baixar a ferramenta, o contribuidor "joaofnfernandes" deixou claro que isto não será alterado e recebeu muitas "descurtidas". Parece até que apenas os funcionários do Docker curtiram.

 

Pra quem quiser contribuir com opinião, siga a fonte.

Fonte: Download Docker CE without logging in #6910

 

 

Add a comment

Os pesquisadores de segurança Omri Misgav e Udi Yavo, da enSilo, descobriram uma nova técnica chamada Turning Tables, que consegue contornar as medidas de proteção do kernel do Windows ao explorar as tabelas de páginas do sistema. No entanto, acredita-se que a maioria dos sistemas operacionais modernos - incluindo Linux e macOS - possam estar, também, vulneráveis.

Add a comment

Notícia importante para os usuários do navegador Firefox: a partir do começo de Outubro, várias extensões (add-ons) antigos serão removidos do portal de instalação mantido pela fundação. A mudança se deve a atualizações no núcleo do Firefox.

A antiga API, baseada em XUL, foi substituída por um sistema baseado na WebExtensions API, compatível com o Chrome, em Novembro de 2.017. As extensões antigas deixaram de funcionar no Firefox 57, mas ainda eram suportadas na versão ESR 52 do navegador, cujo suporte terminará no próximo dia 5 de Setembro.

Com isso, a partir do dia 6 de Setembro, extensões baseadas em XUL não serão mais aceitas no portal addons.mozilla.org e as extensões atualmente presentes serão desabilitadas no início de Outubro. Com isso, os usuários não mais conseguirão encontrá-las. A única forma de reviver as extensões antigas será se seus desenvolvedores originais as portarem para a nova WebExtensions API. Neste caso, as extensões instaladas serão atualizadas automaticamente para a nova versão  e elas continuarão aparecendo na galeria.

Fonte: BleepingComputer e Slashdot.

Add a comment

Os usuários do Dropbox no GNU/Linux que em suas configurações sincronizam diretórios montados sobre sistemas de arquivos diferentes do Ext4 tem recebido notificações pedindo para mover o local do Dropbox pois seus arquivos não serão mais sincronizados em Novembro.

Segundo Notícia do Linux Uprising foi informado no fórum do Dropbox que no GNU/Linux apenas o sistema de arquivos Ext4 será suportado a partir de novembro.

Add a comment

Se você é daqueles que gosta de aproveitar a banda larga do trabalho para baixar seus torrents, é melhor tomar cuidado: a atitude, além de ilegal, pode lhe fazer ser demitido por justa causa! É a jurisprudência aberta por uma juíza do TRT-SP a respeito do caso de um empregado de uma empresa de telecomunicações.

 

Jack Sparrow assustado

 

De acordo com a reportagem do Ig Economia, em 2.015 a Warner Bros. Entertainment enviou uma notificação ao Grupo NTT Telecomunicações avisando que havia detectado download de filmes em sua rede, através do endereço IP. Com isso, a empresa enviou um e-mail ao funcionário acusado, que explicou que havia trazido seu equipamento de casa para o trabalho e, ao ligá-lo, o download que ele estava fazendo continuou, através da conexão da empresa.

Mesmo com o funcionário tendo prometido que tal incidente não voltaria a se repetir, a empresa recebeu outra notificação, em 2.016, da Paramount e, com isso, o colaborador foi demitido. Inconformado, ele entrou com uma ação trabalhista no TRT-SP, a fim de reverter a justa causa, mas a juíza concordou com a decisão e considerou a demanda improcedente.

Não satisfeito, ele recorreu em segunda instância, mas o recurso foi negado por unanimidade, pois foi considerado que o empregado tinha consciência da gravidade dos atos praticados e sua atitude comprometeu o nome da empresa, expondo-a a uma situação vexatória.

Sempre lembrando que baixar cópias não autorizadas de filmes, de músicas ou de programas de computador sem a devida autorização do proprietário é crime e, desde 2.013, é enquadrado no art. 184, parágrafo segundo do Código Penal. Lembrando, ainda, que existem vários artistas e sites, como o Jamendo, que oferecem suas obras gratuitamente ou sob licenças livres ou abertas.

Add a comment

Hollywood agora tem a sua própria organização em prol do open source: a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas se uniu à Linux Foundation para lançar a Academy Software Foundation, que é dedicada a avançar o uso do open source na criação de filmes e além.

 

Logotipo da ASWF

 

Os membros fundadores da associação incluem Animal Logic, Autodesk, Blue Sky Studios, Cisco, DNEG, DreamWorks, Epic Games, Foundry, Google Cloud, Intel, SideFX, Walt Disney Studios e Weta Digital. Juntos, eles querem promover o open source, auxiliar estúdios e outros em Hollywood com questões relacionadas ao licenciamento open source e gerenciar projetos de código aberto sob o comando da fundação.

A cooperação entre a Academia e a Linux Foudation iniciou-se há cerca de dois anos, quando o Conselho de Ciência e de Tecnologia começou a investigar o uso de software open source em Hollywood e descobriu que cerca de 80% das empresas que funcionam lá utilizam programas de código aberto de uma forma ou outra.

Fontes: Variety e Slashdot.

Add a comment