Nos seis anos de existência do serviço Google Drive o Linux nunca foi agraciado pela Google com um cliente oficial. Em 2015, algumas supostas fotos do Google Drive rodando nativamente no Ubuntu vazaram na internet. Desde então, nenhuma atualização foi dada quanto ao assunto. Usuários Linux utilizam softwares de terceiros ou desenvolvidos por comunidades de ambientes de desktop como o conector do Nautilus/Gnome (pacote gnome-online-accounts) em interfaces GTK, KIO GDrive para KDE, clientes web (cof,cof,cof... gambiarras) para o Deepin Desktop, ou clientes proprietários como o Insync e o overGrive. Também há opções cli como o gdrive apesar de teoricamente ser um projeto morto.

O GCSF é uma nova opção de sistema de arquivos através da userspace (FUSE) que permite o acesso a uma conta Google Drive como se fosse um ponto de montagem no Linux. Os pré-requisitos para compilação do software no Ubuntu Linux são o pacote libfuse-dev e a árvore estável do Rust que pode ser encontrada aqui. Com base nesta informação, deve ser relativamente fácil para usuários de outras distribuições criarem um procedimento de instalação, e como a maioria dos sistemas operacionais da família BSD também possuem estes softwares em suas árvores de pacotes, deve ser relativamente fácil portar o GCFS ou rodar o software sem a necessidade de adequações.

Depois de inicializar e montar o Drive através do comando gcsf mount /mnt/dir/de/sua/escolha, os arquivos são exibidos de forma transparente para o usuário:

GCSF ls

No Thunar:

GCSF in Thunar

Fonte: Lobste.rs