Vale a pena ler esse artigo publicado pela Vice com uma entrevista com o pesquisador de segurança Diego Aranha, que reafirma sua posição de que as urnas eletrônicas utilizadas no Brasil não são seguras.

Sua democracia foi hackeada

Na matéria, Aranha diz que, apesar de não ter conseguido seu objetivo principal de adulterar os resultados de uma eleição - devido ao esgotamento do tempo destinado ao teste público de segurança - ele conseguiu mudar mensagem na tela da urna, alterar os registros de votação e encontrou uma maneira de quebrar o sigilo do voto.. Além disso, erros de segurança primários foram descobertos - como uma chave de criptografia codificada no código-fonte. Além disso, ele também conseguiu utilizar um teclado comum com o dispositivo e inicializar o sistema operacional do equipamento em uma máquina virtual.

O pesquisador disponibilizou sua pesquisa no GitHub para os interessados. Vale a pena, ainda, ler o relatório oficial do TSE, em que os testes realizados são detalhados.