ATUALIZAÇÃO: ESTA NOTÍCIA É UMA FAKE NEWS! Segundo apurou o grupo de investigação jornalística do linux-br, Um cara que não é desenvolvedor do kernel mandou mensagem pra lista de desenvolvedores xingando o CoC. Um outro perfil falso respondeu. Um conhecido site sobre Linux do Brasil pegou esse fato como se todos os desenvolvedores do kernel tivessem essa opinião e publicou. Pedimos desculpas aos nossos leitores pelo descuido. Segue a notícia original, para apreciação.

A adoção do novo CoC pelo kernel Linux está despertando polêmicas. Agora, vários desenvolvedores do kernel estão ameaçando rescindir os direitos autorais de suas contribuições de código para o projeto, em resposta à adoção do polêmico novo regulamento.

Uma carta aberta enviada à LKML diz que:

Os contribuidores podem, a qualquer momento, rescindir a garantia de licença referente às suas propriedades via notificação escrita àqueles quem eles estão rescindindo a garantia (a respeito de sua propriedade (código)).

A versão 2 da GPL carece de uma cláusula de não-rescisão (a versão 3 da GPL) tem tal cláusula: para tentar fornecer aos réus uma defesa de preclusão, o kernel Linux está licenciado sob a versão 2, não obstante como estão as contribuições passadas.

Quando os réus ignoram a rescisão e continuam usando o código do demandante, este pode processar o réu sob o estatuto dos direitos autorais.

Contribuidores banidos devem fazer isso (nota: o demandante está para registrar seu direito autoral antes de entrar com o processo, o copyright não tem de estar registrado no momento da violação, no entanto).

Em resumo, se esta "kill switch" for acionada, a maior parte do kernel Linux poderá ficar inutilizável ou vulnerável, o que seria uma tragédia de proporções apocalípticas para a sociedade atual, visto que o kernel está presente em uma ampla variedade de dispositivos, desde smartphones até carros inteligentes. Ramificações deste ato poderiam incluir largas partes da internet sendo deixada vulnerável a exploits e companhias ao redor do mundo podendo até herdar pacotes de responsabilidades legais indesejadas.

Richard Stallman disse que a estratégia de revogação de licença, em sua opinião, é equivocada. Já Eric S. Raymond disse à lista que acredita que o plano seja viável.

Entenda o caso

Ativistas das comunidades feminista e LGBTQIA+ têm tentado forçar o projeto Linux a se juntar ao Pacto do Contribuidor desde, pelo menos. 2.015. Esse pacto é um acordo para implementar um Código de Conduta especial visando a mudar a face predominantemente branca, heterossexual e masculina da programação. Esse pacto é controverso porque ele permite que qualquer pessoa seja banida de contribuir com código por qualquer motivo, geralmente sem nenhum mecanismo de supervisão ou responsabilidade.

Em 16 de Setembro, o lado pró-Pacto venceu, com o kernel Linux adotando um CoC, em substituição ao Código de Conflito anterior, que pedia civilidade sem ter implicações políticas. A mudança é amplamente condenada pelos desenvolvedores, e a oposição gerou milhares e milhares de posts apenas no painel de tecnologia do 4chan. Aqui está um resumo dos seus argumentos:

  1. A inserção do CoC em outros projetos tem anunciado uma verdadeira caça às bruxas, onde bons contribuintes são removidos sobre assuntos triviais ou mesmo eventos que aconteceram há muito tempo – como Larry Garfield, um proeminente colaborador do Drupal que foi banido depois que foi descoberto que ele tinha relações sexuais envolvendo fetiches onde as mulheres são submissas (BDSM).
  2. A falta de definições adequadas para punições, prazos e até mesmo o que constitui abuso ou assédio deixa o Código de Conduta amplamente aberto para ser curiosamente abusivo (ver 1).
  3. Dá às pessoas encarregadas da aplicação poder onipotente e inexplicável, como “deuses”.
  4. Poderia forçar a aceitação de contribuições tecnicamente ruins que não sejam de machos brancos cis.
  5. O Código de Conduta é puramente sobre poder.
  6. ” “Durante todo esse tempo, nunca precisei saber ou me importar se meus colegas colaboradores eram brancos, negros, homens, mulheres, héteros, gays ou do planeta Marte, apenas se o código deles era bom”; ou seja, em um projeto que recebe contribuições de voluntários que são anônimos além do controle escolhido, as alegações enganosas de exclusão e assédio desmoronam sob o escrutínio mais aleatório. Os colaboradores revelam o máximo sobre raça, sexo e orientação que desejam, porque ninguém se importa com essa coisa tangencial no final do dia. Se realmente houvesse alguma mentalidade de “apenas homens brancos e heterossexuais”, a comunidade insistiria em determinar se um novo colaborador é “um de nós” antes de aceitar seu código, mas eles não fazem isso, nem um pouco. Assim, é evidente que não há cultura de exclusão, mas sim uma cultura de total indiferença às diferenças individuais além da capacidade de codificação. A retórica da diversidade e inclusão é apenas uma arma sendo usada para atacar uma comunidade que é inerentemente oposta à política de identidade, e é por isso que eles são vistos como uma ameaça para esse pessoal SJW.”

Do outro lado da moeda, os argumentos favoráveis ao Código de Conduta incluem:

  1. Promover um espaço inclusivo e seguro para as mulheres, LGBTQIA+ e afrodescendentes, que na ausência do CoC são excluídas, assediadas e, às vezes, violadas por homens brancos cis.
  2. A falta de CoC sustenta a meritocracia, que “tem se mostrado consistentemente para beneficiar principalmente aqueles com privilégios, com a exclusão de pessoas sub-representadas na tecnologia”.
  3. A grande maioria dos colaboradores do Linux são homens brancos cis. O Código de Conduta da CC permitiria a construção de um grupo demográfico geral mais diversificado, já que as pessoas que não são homens brancos cis se sentem bem-vindas para participar e os assediadores brancos são eliminados.
  4. Ser contra o CoC significa que você quer que as mulheres, LGBTQIA + e afrodescendentes sejam assediados.

Estaríamos presenciando o fim do kernel Linux? Ou o nascimento de um fork imimente? Só o tempo dirá.

Fontes: Lulz.com e Unix Universe.

Nota: Baboo deve estar tendo um orgasmo nesse momento...